ELO e CAIS realizam webinário “Eleições e Fake News: o desafio para as OSC”

Por Morgana Damásio 

Participantes do webinário, realizado pela Plataforma Zoom

Nesta quinta-feira, 28, o ELO Ligação e Organização e o Centro de Assessoria e Apoio a Iniciativas Sociais (CAIS) realizaram o webinário “Eleições e Fake News: o desafio para as OSC”. A ação, apoiada por MISEREOR e Pão Para o Mundo (PPM), é a primeira de três atividades previstas entre os meses de abril e maio que propõem a reflexão sobre o papel das Organizações da Sociedade Civil (OSC) no enfrentamento à disseminação de notícias falsas e o fortalecimento de estratégias de enfrentamento para este cenário, como a construção e disputa de narrativas.

“A gente não pode assistir passivamente mais uma vez um processo eleitoral desleal. As organizações podem ser agentes de disseminação de informações verdadeiras para apoiar a população nesse processo eleitoral”, afirmou Camila Veiga, coordenação executiva do ELO, durante a abertura do evento.

Silvio Caccia Bava, mediador do evento

O webinário, também disponibilizado na íntegra no Youtube, contou com a facilitação de Magali do Nascimento, jornalista, doutora em ciências da comunicação e pesquisadora do Instituto de Estudos da Religião e Sérgio Amadeu, doutor em ciência política, professor, pesquisador de redes digitais e das implicações da inteligência artificial e apresentador do podcast tecnopolítica. A  mediação foi feita por Silvio Caccia, diretor do jornal Le Monde Diplomatique Brasil e presidente do conselho da Action Aid Brasil.

Magali do Nascimento Cunha, durante o webinário

Magali trouxe em sua fala um panorama sobre a desinformação, destacando quatro importantes categorias que constituem esse fenômeno: as notícias falsas (fake news), enganosas, inconclusivas e imprecisas. A jornalista também discorreu sobre os efeitos da desinformação nas últimas eleições presidenciais e traçou projeções para o próximo pleito, a partir da análise de pesquisas.

O que impulsiona a atração por notícias falsas? Segundo a estudiosa, fatores como a sobrecarga de informação no ecossistema digital tem provocado esgotamento e propiciado atalhos psicológicos fáceis e respostas emocionais com sentido menos crítico a conteúdos que se alinham a crenças e ao sentimento de moralidade ressentida. A ênfase na repetição também é um fator que pode dar credibilidade ao conteúdo e pessoas com perfis mais conservadores tendem a assimilar e compartilhar esse tipo de conteúdo, sobretudo pelo WhatsApp.

Nas eleições presidenciais de 2018 éramos 120 milhões de usuários ativos no WhatsApp no Brasil, 66% dos eleitores faziam uso da ferramenta. Para Magali, um cenário marcado pela “explosão de desinformação, imagens fora de contexto, áudios com teorias conspiratórias, fotos manipuladas, pesquisas falsas, ataques a imprensa tradicional, como capas falsas de revista e “checagem’’ de notícias que eram verdadeiras imagens que fomentam o ódio Lgbtqi+ e ao feminismo, guerra cultural com ataques contra artistas, áudios e vídeos de fonte comum ou de gente que se passa por gente comum, mas com identidade desconhecida, dando motivos para votar em um candidato”, destaca. 

Os/as evangélicos/as representam uma parcela significativa do eleitorado que elegeu o atual presidente. Segundo pesquisa realizada pelo Avaaz, 98,21% dos eleitores de Jair Bolsonaro foram expostos a uma ou mais notícias falsas durante a eleição e 89,77%  acreditam que os fatos eram reais.

A jornalista, que também é  ativista do movimento ecumênico e colaboradora do Conselho Mundial de Igrejas, trouxe dados importantes da pesquisa “Caminhos da desinformação: evangélicos, fake news e WhatsApp no brasil”, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que apontam que  61,9% dos/as evangélicos/as entrevistados/as indicam a política como temática recorrente de desinformação no WhatsApp, 13,2 % reconhecem pastores e irmãos da igreja como fonte mais confiável de notícias, 23,6% não checam as notícias que recebem no WhatsApp e 29,7% reconhecem a partilha de notícias falsas. “As esquerdas que estão buscando dialogar com os evangélicos estão fazendo isso pela lógica do conservadorismo evangélico. Estão atuando com a lógica dos Malafaias, Felicianos, Damares, buscando responder essas pessoas e eles não representam o universo evangélico múltiplo, plural, que  a gente tem no Brasil. São figuras influentes, mas não são o retrato dessa pluralidade”, alertou, apontando que o perfil desta categoria é composto majoritariamente  por mulheres de periferia, negras e na faixa etária entre 18 e 45 anos. 

Como tendências para as eleições deste ano, Magali aponta o uso de ideias infundadas já utilizadas na disputa anterior, como o endossamento da “ideologia de gênero” (com o objetivo de salvar a “família tradicional”), “cristofobia” (perseguição a cristãos por governos de esquerda), insegurança das urnas eletrônicas e golpe, além da tentativa de fortalecimento dos feitos do governo, da imagem de Jair Bolsonaro como liderança de propósito nobre e a destruição da imagem de opositores.

Sérgio Amedeu durante o webinário

Sérgio Amadeu deu sequência ao debate explicando como as fake news se disseminam no ambiente virtual. “70% dos conteúdos assistidos são fruto de recomendações dos algoritmos, são eles quem decidem o que e quem será popular ou não”, explica, destacando que as plataformas priorizam a recomendação de conteúdos impulsionados, pagos para serem distribuídos a um número maior de pessoas. 

O investimento financeiro nas fake news é um importante fator para sua disseminação. Grupos políticos e econômicos se articulam para realização de disparos massivos das informações falsas por meio de tecnologia artificial, perfis falsos e bots, “robôs” que imitam o comportamento do usuário humano e são automatizados para emitirem mensagens.

Apresentação de Sérgio Amadeu

OCUPANDO AS REDES“Nós precisamos ter coletivos digitais, produzir conteúdos desmentindo informações. Nós precisamos criar um problema para os desinformadores”. A partir dessa fala,  Amadeu aponta iniciativas importantes que podem ser adotadas para o combate à desinformação, como a criação de coletivos digitais que mobilizem pessoas  para construção de estratégias semanais de produção de conteúdo. Ele sinaliza que podem ser 3,4,5 ou mais pessoas, o importante é dar início a ação.

No Youtube, o especialista recomenda a realização de lives e produção diária de vídeos curtos, se possível referendado com materiais comprobatórios ( prints de jornais, cortes de vídeos, etc) e usando hashtags. É importante que no começo de cada vídeo seja estimulado que os espectadores assinem o canal e ativem as notificações e que inicialmente os  grupos assegurem que amigos/as curtam os vídeos, vale mandar um WhatsApp lembrando.

Para o Facebook a dica é mapear as páginas e perfis dos grupos aliados, independentes e adversários. Estruturar a relação dos perfis que poderão reproduzir as mensagens centralizadas e específicas da campanha local.

Já no Tik-Tok a orientação é  a criação de um estilo coletivo, com publicação de dois a três conteúdos diariamente contra a desinformação, combinando imagem, prints, trechos de vídeos e uso de hashtags.

Sobre o WhatsApp, destaca que o bolsonarismo utiliza seus empresários e apoio internacional para realizar disparos massivos de desinformação, convocação e discurso de ódio segmentado. É importante que esses grupos públicos sejam mapeados e bombardeados com o desmascaramento dos conteúdos falsos.

OFICINAS – Dando segmento as ações formativas sobre o tema, no dia 19/5, das 14h às 18h, será realizada a oficina Mapeando e Fortalecendo: Estratégias de combate as fake news. Já no dia 27/05, das 9h às 13h, acontece a oficina Construindo mensagens e narrativas. As informações sobre as inscrições serão divulgadas em breve no portal e redes sociais do ELO.

O webinário contou com a participação ao vivo de mais de 60 membros de OSC, que puderam interagir com os facilitadores.  O conteúdo segue disponível no Youtube:

Webinário “Eleições e Fake News: o desafios para as OSC” – YouTube

1 Comment
  • Angelica
    Posted at 21:33h, 29 abril Responder

    Excelente evento! 👏🏽

Post A Comment

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support